Histórico

Sobre História

Quando Celso Garcia Cid adquiriu, 1945, de Luís Deliberador, os primeiros 13 alqueires das férteis terras roxas no município de Sertanópolis, certamente não imaginava que ali, futuramente, guardaria as suas "Jóias da Índia".

Aos poucos foi comprando mais sítios vizinhos até que, em 1951 adquiriu o maior lote, com 285 alqueires, de Amélia Gonçalves, a dona Melica, que ficara viúva há pouco tempo de um grande amigo e vizinho, o Sr. Manoel Gonçalves.

Enquanto comprava terras para futuramente criar seu gado, já era proprietário da Fazenda São João, no distrito da Warta, a 13 Km de Londrina, onde havia lavoura de café e começara pequena criação de gado Gir, raça que sempre foi sua grande paixão. Desde sua infância, na pequena Tamaguelos, sua terra natal, na Espanha, demonstrava o amor pelos animais, pois o que mais gostava de fazer, para ajudar a mãe viúva, era estar trabalhando com o boi, que puxava o arado para cultivar a terra.

E para cuidar dessas novas terras, que se situavam à margem esquerda do Rio Tibagi e que com certeza ele já pressentia que seriam classificadas entre as três melhores do mundo, encontrou a pessoa certa: Ildefonso dos Santos, que anos mais tarde seria o seu companheiro na grande jornada que foi a importação de zebu da Índia. O próprio Ildefonso contou a Domingos Pelegrini Jr., autor do livro "O tempo do Seo Celso" algumas coisas interessantes:

"A paixão de Celso por bois indianos não parava de aumentar, ao mesmo tempo em que cresciam suas decepções com os animais comprados. Ildefonso testemunhava essas decepções... - Era a frustração dele naqueles anos, um homem rico, respeitado, ainda na casa dos cinqüenta anos, e com aquela amargura, que ele disfarçava, mas para mim contava: "Um dia nós ainda vamos criar zebu do melhor e vender pra criadores do Brasil inteiro!" Então um dia eu falei: só se a gente for bu scar zebu na Índia! Ele ficou balançando a cabeça e pensando."

Em 1957 enviou ao Ministério da Agricultura os primeiros pedidos de autorização para importação. As respostas negativas eram automáticas. O espanhol teimoso pareceu se acalmar por uns tempos; foi quando se desiludiu com as últimas três vacas adquiridas. O tempo mostrou que eram, todas as três, vacas inférteis. Incidente tão prosaico motivou a maior decisão da vida de Celso. Ildefonso não se esquece que estava pescando na fazenda, com Celso ao lado, pensando e olhando a água, as três vacas na cabeça.

- Esquece isso seo Celso. Fora de Minas, zebu só mesmo buscando na Índia, já falei!
- E você tem coragem de ir, Ildefonso?
- Se o Sr. comprar, eu trago.
- Mas é proibido, Ildefonso.
- Mas é só lá que a gente vai conseguir.

Celso não falou mais nada. Dormiu na fazenda. No dia seguinte, cedinho, foi procurar Ildefonso.

- Como é? Ta mesmo decidido?
- Resolvido a que, seo Celso?
- Buscar gado na Índia, nós não vamos buscar gado na Índia?!

A entrada da fazenda ele escolheu com o coração. Abrindo uma estrada no meio da mata virgem, deparou-se com uma enorme peroba bem no meio do caminho traçado por ele. Não teve dúvidas: fez uma pequena curva, abrindo em duas a estrada, para mais adiante voltar a ser uma só, até a porteira.

A peroba está lá até hoje e a mata virgem guarda o mesmo colorido verde forte e o mesmo cheiro de pau d'alho. Foi determinado por ele que se preservasse a mata, isso nos anos 50, quando a palavra ecologia ainda não estava nem na moda.

Com certeza, além da preservação, cada vez que passava por lá, ele gostava mesmo era de recordar dos tempos idos (1930), em que cortava a mata virgem, solitário em seu caminhãozinho Ford 1929, carregando telhas e tijolos, desde Jataizinho até a nascente Londrina e depois com seus passageiros na jardineira da empresa em que, no início, era patrão, motorista e mecânico. Era tudo.

Quando por volta de 1957, ele começou a falar em nossa casa que queria ir à Índia, berço das raças zebuínas, buscar gado puro de origem para melhorar a genética do gado nacional, nós tínhamos certeza de que ele o faria, mas não imaginávamos que aquele sonho se transformaria numa verdadeira epopéia: a epopéia do zebu.

A história já é bem conhecida de todos, mas queremos citar alguns trechos do livro já mencionado: "Uma revolução genética, nada menos, era o que Celso via naqueles anos finais da década de 50, quando seu interesse pelo zebu aumentou a ponto de estudar, também, a Índia. Passou a visitar técnicos do Ministério da Agricultura, veterinários e zootecnistas, colhendo a convicção de que haveria, sim, ainda na Índia, verdadeiras "jóias raciais", animais puros que poderiam "refrescar o sangue e aumentar a produtividade dos rebanhos não só no Brasil como de toda a América Tropical."

Consta que nunca brasileiro algum andou nesta região da Índia. Aqui nos chamam a atenção os bois carreiros. São muito grandes as plantações de arroz e cana, e usam os bois como meio de transporte. Vimos bois de carro que são verdadeiras jóias Nelore." (Benzwada - Vijayawada, Estado de Andras, Índia, 19 de janeiro de 1959).

"Do lote de 112 animais importados, cederá 60 para criadores entendendo-se que "ceder", entre pecuaristas, não significa apenas vender, mas fazer negócios propícios à continuação das linhagens, amarrando laços de amizade entre criadores para futuras cruzas e trocas. A partilha de Celso será a maior já feita de uma importação de gado indiano."

"Na exposição de Londrina, em abril de 1961, continuará a fazer, de terno e gravata, o que raros criadores fazem: desfilar, com os animais pela pista, a varinha de peroba numa mão, na outra a corda do cabresto, sorriso de paz com o mundo."

A grande amizade entre o Maharaja of Bhavnagar iniciou-se através de uma visita, que Ildefonso fez logo após ter chegado à cidade de Bhavnagar, quando telefonou ao palácio a fim de marcar uma hora para ver o plantel, pois já havia comprado quatro novilhas nas redondezas, sem saber que eram filhas de Krishna. Atendeu o secretário, que por sorte falava um pouco de português, e disse que o marajá não tinha interesse em vender gado e que não ia recebê-lo, mas o marajá estava perto do telefone e perguntou quem era.

Ao saber que era um brasileiro interessado em comprar gado gir, ficou curioso e mandou que estivesse no palácio em meia hora. Ildefonso foi a pé, chegou empoeirado e suado, de sapatão e chapéu e mangas de camisa, mas chegou na hora exata, 17h30. Pediu desculpas pela roupa, mas o marajá o recebeu cordialmente, dizendo que esperava que um criador de gado estivesse vestido como tal.

Tomaram chá com bolachas e Ildefonso soube pelo secretário que era o primeiro brasileiro a entrar no palácio. Conversaram longamente sobre a intenção de Celso: levar gado indiano para o Brasil. A conversa foi até depois de meia-noite, ficando assim estabelecida a amizade verdadeira e duradoura, que até hoje existe. No dia seguinte, Ildefonso perguntou sobre o touro Krishna, que estava num retiro, já vendido a uma sociedade leiteira, mas contou que enviara fotos a Celso e recebera telegrama taxativo: "compre urgente esse touro!"

O marajá sorria e autorizava: muito bem, vendessem o touro aos brasileiros. Numa página de seu diário de viagem está anotado: "À noitinha vamos visitar o marajá, o qual nos recebe com fidalguia (...) e nos convida para uma caçada no dia seguinte".

Mas o que na realidade o marajá percebe naqueles dois brasileiros destemidos é que encontrou alguém digno de receber de herança a linhagem gir, desenvolvida pela sua família durante 2000 anos, com três séculos de cruzamentos registrados em caprichosos livros de anotações. Apaixonado por genética e também encarando como missão pessoal a salvação de uma raça tão dócil e resistente, o marajá procurava há algum tempo um guardião para seu tesouro. E de fato, alguns anos mais tarde, em 1965, após a sua morte, seu herdeiro e novo Maharaja of Bhavnagar, Virbhadra Singh, envia uma carta, na qual expressa a última vontade de seu pai: doar o seu rebanho à família Garcia Cid.

Trazer os animais foi uma verdadeira epopéia. Contra tudo e contra todos, contando apenas com seus filhos e amigos mais fiéis, desafiou as leis mais arcaicas e cruzou os mares, trazendo com ele os reprodutores e matrizes que iriam mudar a história da criação bovina no país.

Os animais na ilha. Alimentá-los era uma luta diária, com os homens procurando capim nas ilhotas próximas, enfrentando águas infestadas de tubarões. Mas o gado reage, viceja, ganha força e engorda.

Nandini, Shakuni, Nalini e Maharani. Quatro linhagens especiais trazidas da Índia por Celso Garcia Cid, foram a base sobre a qual também se assentou a moderna pecuária brasileira, a partir da Fazenda Cachoeira.

Poucos anos depois, Celso Garcia daria início a um ritual que se repetiria enquanto ele estivesse vivo: de terno e gravata, sempre com a varinha de peroba na mão, faria questão de desfilar e apresentar - ele próprio! - seus animais de raça, nas exposições por este Brasil afora. E os prêmios começaram a ser recebidos. Às centenas. E até hoje o gado da Fazenda Cachoeira é laureado.

Na foto ao lado, uma das poucas em que está sem paletó, tem nas mãos Krishna Sakina DC, seu animal favorito, filho de Krishna, trazido da Índia.

Após o falecimento de Celso, em 1972, Francisca não teve dúvidas. Sabia que o que Celso havia sonhado e conseguido com tanta luta, não poderia ser interrompido. Reuniu os filhos e disse que o trabalho de Celso tinha que continuar. Foi o que aconteceu. Nada parou. Tudo seguiu adiante.

A Fazenda Cachoeira continuou a se preocupar com o melhoramento genético de seu plantel. Desde a inseminação artificial, na qual foi uma das pioneiras no gado zebu e hoje com a transferência de embriões e fertilização in vitro, estando sempre à frente das mais novas e modernas técnicas de reprodução.

Dona Francisca sempre foi a companheira que apoiou Celso em suas lutas, incentivando suas idéias. Mesmo quando as coisas estavam muito, muito difíceis na luta pela importação e ela, certo dia, disse a ele:

- Celso, você é teimoso!
- Teimoso não, eu sou persistente!

Ela concordou, pois estava certa de que ele venceria todos os obstáculos que encontrasse. D. Francisca, que esteve em todos os momentos ao lado do marido, com sua presença calma e silenciosa, sempre com muita tranqüilidade, foi a sua maior colaboradora.

Hoje, os filhos, netos e bisnetos, dão continuidade ao trabalho de Celso e Francisca na Fazenda Cachoeira, estando sempre trabalhando para o aprimoramento da pecuária brasileira, e certos de uma frase de Celso:

"Nada nos pertence, tudo é dádiva de Deus!"

Do SENHOR é a terra e a sua plenitude, o mundo e aqueles que nele habitam. Salmos 24:1

Fazenda Cachoeira 2C © 2013 Todos os direitos reservados.

Logo Clickweb agencia digital

O navegador que você está utilizando está desatualizado.

Ele possui falhas de segurança e uma lista limitada de funcionalidades. Você perderá qualidade na navegação deste site.

Escolha um navegador abaixo para realizar o download.